sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Guardei durante 10 anos




Ao destralhar a casa encontrei estas folhas. Um bloco de notas A3 que recebi quando participei num Congreso de Desporto, há 10 anos! Mudei de casa 3 vezes e foi sempre comigo. Achei tão especial que não quís utilizar, queria guardar para... não sei bem o quê...

Quando recentemente encontrei estas folhas,  pensei na ironia de guardar algo tão bem, que nem nos lembramos onde está. A afinidade que temos com os objetos, que queremos guardar para um momento especial (muitas vezes esse momento nunca chega). 

10 anos depois tirei uma foto e guardei na pasta das lembranças, depois utilizei as folhas para rascunho :)

domingo, 11 de setembro de 2016

Simplesmente....Mudar tudo!!


Faz 1 mês que estou a viver com a minha família na Suécia, numa pequena cidade que se chama Kalmar. Em pouco tempo tive de destralhar toda a casa, e... achava eu que já tinha tudo destralhado. Escolher o essencial para colocar numa mala de viagem, e... percebi que afinal conseguia viver com muito pouco. Dizer adeus aos familiares e amigos, e... nunca tive jeito para isso e prefiro dizer até já. 

Tive pouco acesso ao facebook, ao email e ao telefone. E custou muito não estar sempre online.

Mudei-me para uma casa pequena, sem nada lá dentro, e sem elevador. Desde o primeiro momento que entrei na casa, decidi simplesmente que aqui vou ser Feliz!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Destralhar (quando não se consegue destralhar), pela Rita

Imagem Koisas e Koisinhas


Conheci a Rita, do projeto Koisas e Koisinhas através do facebook. Ela tem o dom de fazer o que eu não sou capaz: dar vida nova aos objetos usados. Eu faço o que ela tem dificuldade: destralhar!

Recebi este texto da Rita, senti-me tão feliz porque ela finalmente conseguiu começar a livrar-se das tralhas, e lembrou-se de mim. Com a sua autorização, decidi partilhar para que possa inspirar mais alguém. O que achei mais interessante é a forma como ela justifica a si própria cada objeto que se vai embora. Os móveis? Talvez nunca sejam destralhados... porque o trabalho da Rita (para além de ser professora) é dar "nova cara" aos objetos usados! 

"Olá Ligia!
Nos últimos dias tenho me lembrado muito de si! ;) 
Comecei finalmente a destralhar! E foram dezenas de quilos de sacos com roupa que guardava porque: ainda poderia vir a servir (passados alguns anos perdi a esperança), aquelas que o tecido até era giro e poderia dar para fazer alguma coisa (...e eu que até nem sei costurar...) aquelas que me traziam boas recordações (tenho de guardar as recordações no sitio onde não ocupam espaço: na memória!) , etc, etc... Destralhei também alguns objetos (mas poucos... esses ainda tenho dificuldade em me desapegar deles); só os moveis, mesmo os arrecadados há anoooooos é que tenho dificuldade em destralhar (estou sempre a pensar dar-lhes uma "nova cara".... o problema é o tempo, ou a falta dele!). Mas, ainda não perdi a esperança de conseguir destralhar mais! Até lá, vou continuar a ler os seus post's e a imaginar-me com menos "tralha" e mais Vida! ;) 
Boas Férias para si!"

domingo, 24 de julho de 2016

Uma vida sem Tralha, por Gabriela Brasil




Vi este texto no facebook da profissional organizer Gabriela Brasil. Não resisti a publicar aqui, porque explica muito bem a importância de destralhar sempre.  

" Uma das coisas que sempre me impressionam é a capacidade que temos de acumular coisas. E eu não estou falando apenas de objetos e papéis, mas também de informações e sentimentos. A gente vai armazenando porque pode precisar um dia, porque lembra de uma situação especial, porque pode ser útil para fulano, porque um dia já nos serviu. Com o passar do tempo todo esse acúmulo pode virar algo estressante.

Acúmulo de informações sem critério de seleção não vai adiantar de nada, acúmulo de objetos sem funcionalidade só serve para ocupar espaço. Eu não sei se você possui essa mesma sensação, mas eu não consigo fazer nada em casa quando está tudo bagunçado, por exemplo. Minha mente bloqueia, eu fico perdida. Depois de arrumar o ambiente pareço outra pessoa pronta para produzir durante horas seguidas!


Espaços desordenados podem afetar negativamente o seu humor e sua produtividade. Espaços organizados te dão tranquilidade e clareza.

Clutter é uma palavra em inglês que significa desordem e há um termo muito interessante em inglês - declutter - que significa “remover itens desnecessários de”. Em português, uma tradução deste termo poderia ser destralhar. Tralha é tudo aquilo que não serve mais, que não te pertence, que não tem lugar pra ficar, que não faz mais sentido de ser guardado.

Eu lido com o destralhamento de forma diária. Todo dia durante 15 minutos eu vou caminhando pelos cômodos da casa em busca de papeizinhos, objetos, coisas fora do lugar para poder colocar tudo em ordem. Certifique-se de incluir o destralhamento na sua rotina. Todo mês organize um dia para dar uma geral nas suas coisas: na sua casa, na mesa do trabalho, nas gavetas e até mesmo nos seus ambientes digitais.

Uma vida sem tralha é uma vida mais leve. Experimente!"

Para saber mais sobre a Gabriela Brasil Aqui

terça-feira, 28 de junho de 2016

As melhores ferramentas de organização - Guest Post Ana Go Slowly

A Ana do blog Ana Go Slowly é apaixonada pelo minimalismo, vida saudável, yoga e organização. Apresenta workshops, mas também ajuda a destralhar a casa e a simplificar a vida. Gosto muito do seu trabalho e identifico-me com quase tudo o que ela escreve. Tem sido uma inspiração para muitos e o seu blog já conta com mais de 346 mil visitas. Hoje a Ana é a convidada, e o tema não poderia ser mais adequado aos nossos dias. 

Imagem unsplash.com

"A melhor forma de nos organizarmos é escrevendo, seja em papel ou utilizando ferramentas digitais no telefone ou no computador.
Prefiro as ferramentas digitais por serem mais leves e mais práticas. Assim não há esquecimento e posso aceder em qualquer lado.

Estou sempre a experimentar novas ferramentas, mas aquelas que tenho mantido desde há vários anos são as seguintes:
(todas estas ferramentas podem ser utilizadas no computador (à excepção da última) e no telemóvel: android ou iOS)

Gmail - como a Ligia refere várias vezes no seu blog, antes de organizar devemos destralhar. Já tive vários e-mails de diferentes domínios: gmail, hotmail, sapo… Consegui eliminar todos os e-mails e usar apenas um. Como depois foi necessário criar mais 2 duas de contas de e-mail, optei pelo gmail, pois o meu e-mail era principal já era gmail.
Apesar de ter várias contas, faço tudo através da principal, por isso é como se só tivesse uma. Efetuei as configurações necessárias e para além de receber todos os e-mails, sempre que estou a responder, faço-o como se estivesse a aceder a partir das outras contas. Confuso? Segue aqui um link onde é possível consultar como poderemos efectuar estas configurações.
Também utilizo o gmail para manter todos os contactos organizados por grupos. Tenho por exemplo o grupo com o nome da minha empresa onde estão todos os colegas de trabalho e assim tenho acesso aos contactos em qualquer telefone. O gmail tem também uma funcionalidade bastante útil “localizar duplicados”, em que o próprio gmail pesquisa os contactos que poderão estar duplicados, os quais poderemos depois unir. Isto facilita imenso e permite-nos ter os contactos organizados.

Calendário Google - não vivo sem esta ferramenta! Uso-a para compromissos pessoais, para tarefas domésticas e compromissos relacionados com o trabalho. No trabalho utilizo um calendário próprio do outlook que configurei para aceder a partir do gmail. Assim quando quero visualizar todos os meus compromissos de uma só vez, basta aceder ao google calendar. Também configurei um calendário com as despesas e assim sei sempre as datas em que determinado valor é debitado na conta bancária. Cada calendário tem uma cor diferente e assim rapidamente consigo perceber os compromissos para determinado dia ou semana.
É ainda possível partilhar os nossos calendários com amigos e familiares e criar a nossa to-do list acedendo à área de tarefas.

Imagem calendar.google.com

Google keep - a nova ferramenta que uso para registar as tarefas a fazer. Adoro a forma como funciona. Consigo rapidamente anotar tudo o que me vier à cabeça. Depois mais tarde categorizo e coloco algum alarme se for necessário. Adoptei um sistema de cores o que facilita bastante: a cor que surge por defeito representa as minhas tarefas, a cor verde simboliza as coisas da casa (tal como no calendário Google), a azul claro coisas do blog, a vermelho as despesas... A qualquer altura é possível filtrar por categoria e assim visualizamos todas as tarefas relacionadas com a casa por exemplo.
É possível partilhar notas e é assim que tenho feito a lista de compras. Está partilhada com o meu marido e usamos sempre a mesma nota. Assim vamos só retirando e adicionando itens conforme necessário.


Evernote - basicamente onde tenho todos os documentos e coisas importantes. Por exemplo se se necessito de uma cópia do BI/cartão cidadão ela está aqui, bem como certificados de cursos, contratos de trabalho, etc.
Também é no evernote que guardo o meu diário (pois tento escrever quase todos os dias). Uso-o para guardar receitas (divido entre receitas novas para experimentar e as receitas que adoro e que não me canso de repetir).
Basicamente tudo o que digitalizo está aqui e isso permite-me poupar imenso espaço e também trabalho a arrumar, pois quase não tenho papéis em casa para organizar.

Gdrive - outra ferramenta que nos permite guardar ficheiros, mas que tem uma grande vantagem face ao evernote: permite-nos trabalhar nesses mesmos ficheiros, por exemplo, num ficheiro excel ou word. Podemos partilhar com colegas e amigos e trabalhar simultaneamente. Uso para guardar livros digitais, o ficheiro do orçamento mensal, para tarefas da casa e do blog.

Dropbox ou google fotos - excelentes ferramentas que permitem efectuar backup das fotos que tiramos com o telemóvel. Sempre que tiramos uma foto se houver ligação à internet, a foto fica automaticamente disponível (basta fazer essa configuração). De x em x tempo vou guardando as fotos no computador, pois gosto de as organizar por pastas, mas se tivermos bastante espaço é possível mantermos os ficheiros em qualquer uma das plataformas (o google fotos disponibiliza mais espaço).

IFTTT - “If this, then that”, permite-nos automatizar pequenas tarefas, como por exemplo, posso receber atualizações sobre o estado do tempo do dia seguinte; fazer backup dos contactos; guardar automaticamente as fotos do facebook em que sou identificada… As possibilidades são inúmeras.

Camscanner - Destaco ainda esta aplicação que utilizo bastante (está disponível para android e iOS), e é praticamente um scanner portátil! Após tirar foto conseguimos transformar num ficheiro pdf e enviar por e-mail ou para o evernote por exemplo. Uso para digitalizar praticamente tudo!

E desse lado já conheciam estas ferramentas? Quais costumam utilizar? "
https://www.facebook.com/anagoslowly/ 

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Afinal... estamos a guardar para quê?


Guardei este conjunto de chá durante quase 13 anos. Mudei de casa várias vezes e acompanhou-me sempre. Ficou guardado numa caixa, para que um dia fosse exposto numa estante ou prateleira. 

Desde sempre decidi que iria guardar porque lembrava-me o dia em que apaixonei-me pelo meu marido. A empresa onde eu trabalhava organizou uma "Feira de Brindes" e esta chávena + bule era um dos brindes. 

Sempre esperei por ter a casa certa para colocar algumas lembranças expostas, mas mesmo quando comprámos a casa certa, a chávena continuou dentro da tal caixa. 

Um dia olhei para a chávena e pensei " Porque preciso disto, para lembrar-me do meu marido? Se ele está comigo todos os dias..." Lembrei-me também da história da Lysa, que já tinha apresentado em workshops sobre Destralhar, e lembrei-me das minhas próprias palavras "Para quê guardar as coisas, se o importante são mesmo as pessoas?"

Nesse dia as minhas filhas tiveram uma nova brincadeira: brincar ao chá com uma chávena de verdade. Elas ficaram fascinadas e eu fiquei aliviada porque não sabia o que fazer com aquela lembrança. 

Um dia a chávena partiu-se! Ninguém ficou triste, e dissemos "adeus" ao modo da Marie Kondo: By by chávena, foste uma lembrança bonita, mas agora está na hora de ires embora

terça-feira, 7 de junho de 2016

O Maia Go foi assim...

O Maia Go 2016 foi um momento muito especial! 

Subir ao palco, ter centenas de pessoas a ouvir-me falar sobre o destralhar e organizar, e senti-me uma palestrante a sério, foi um daqueles momentos UAU. Um misto de sentimentos e pensamentos: "Eu ainda não acretido que estou mesmo aqui..." com "É tão bom ter chegado até aqui!" ou "Ainda bem que não desisti quando tinha apenas 1 ou 2 pessoas nos workshops" :)

No dia seguinte ainda estava eufórica. Recebi telefonemas de amigos, mensagens de participantes e comentários simpáticos no facebook. Para a grande maioria das pessoas presentes, foi a primeira vez que ouviram falar sobre "destralhar". Mas o conceito com mais impacto foi "destralhar da mente", porque nunca tinham pensado nisso.

O Maia Go 2016 foi especial ainda, porque foi o encerramento de um ciclo de Workshops e Palestras em 2016. Vem aí mudanças pessoais e profissionais, e muitos novos desafios em setembro.