quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Qual o cantinho favorito da sua casa? Por Mundo da Alice


Convidei a Catarina a falar sobre o seu cantinho favorito. Ela tem um blogue que fala sobre as pequenas coisas do dia a dia: "Tenho como lema de vida para o meu dia-a-dia, procurar alegria e inspiração nas pequenas coisas que me rodeiam. " 
A Catarina enviou-me fotos bonitas e um texto que fala da paixão que coloca em tudo o que faz.


"Falar da minha casa é falar de amor, pois vejo-a e sinto-a como o meu templo. É nela que sou feliz e agradeço por todas as coisas que me rodeiam, é nela que renovo as minhas energias, é nela que encontro paz , alegria e amor!

Gosto de tratar dela, necessito de a ter limpa e organizada, pois assim os seus benefícios são muito mais atenuantes em mim. E não há nada melhor do que fazer por nós mesmos e pelo que nos faz bem.

Mencionar um cantinho que seja o meu favorito não é assim tão difícil, escolho então o meu atelier. Uma divisão que está apenas decorada com antiguidades, muitas delas recuperadas a 4 mãos ( por mim e o meu mais que tudo) e muitas flores. É neste cantinho que pratico meditação e Yoga pelas manhãs, e costumo fazê-lo em  frente à janela, para sentir ainda mais o contacto com a natureza. É desta divisão que saio todos os dias preparadas para mais um dia. É aqui que gosto de ler. Quando estou inspirada é aqui que faço as minhas bricolages. É a minha divisão da casa, o meu cantinho especial. É mais uma das divisões da minha casa que me faz sentir que não há lugar no mundo melhor do que a nossa casa!"

Para saber mais sobre a Catarina: 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Qual o cantinho favorito da sua casa? Por Aproveitar a Vida

 



O blog Aproveitar a Vida tem sempre imagens tão bonitas, que a Anabela foi uma das pessoas que desde o início pensei convidar a responder ao desafio: Qual o cantinho favorito da sua casa? 

"Quando recebi este convite da Ligia fiquei muito feliz. Primeiro por ela se ter lembrado de mim e depois porque estou cada vez mais apaixonada pela minha casa. 
Depois de remodelar grande parte ao estilo nórdico, que tanto gosto, podia ser difícil escolher um cantinho especial. Mas não. Apesar de gostar de estar na maioria das divisões, há um espacinho que guardo no coração, a minha Wall Art da entrada. Ali resumem-se muitos momentos felizes da minha vida. Fotos das nossas férias, objectos especiais que antes estavam guardados e que agora têm um lugar de destaque, uma pintura feita pelo Tiago, datas muito especiais, palavras para lembrar sempre e uma placa que tanto gostei de fazer. 
Não é um cantinho para estar, é antes um cantinho para admirar, lembrar e sorrir." 

No blog Aproveitar a Vida e facebook, pode seguir todas as dicas da Anabela sobre projetos DIY, lazer, organização e receitas deliciosas.


quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Casa: O meu cantinho favorito!




Este é o meu cantinho favorito da casa! 
Uma esquina do sofá que fica junto da janela. Gosto da luz natural que entra e ilumina toda a sala. O meu livro Home que voltou a ser folheado. Gosto das velas e do efeito que dá quando estão acesas à noite. O candeeiro Ikea que é tão baratinho, e que gosto tanto de ver na janela. 
O sofá-cama dá para tudo! Para as brincadeiras e saltos das minhas filhas, para ler uma história antes de adormecer, para ver uma revista, ou para receber convidados em casa. 
Mas o mais importante é ter um cantinho confortável, simples e bonito. Aquele cantinho onde posso olhar à minha volta e pensar: Aqui Sou Feliz!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Qual o cantinho favorito da sua casa? Por It´s (not) So Simple!



Quando lancei o desafio à Mafalda para falar sobre o cantinho favorito da sua casa, estava longe de imaginar que a escolha seria o quarto e a cama. Mas a Mafalda conseguiu descrever na perfeição todo o envolvimento emocional que (este cantinho da casa), tem na sua vida e na relação com os filhos.


" Não há nada como a nossa casa.

Quando a Lígia me perguntou que cantinho da minha casa me fazia sentir feliz foi o meu quarto que me veio logo à cabeça.

Ao longo dos últimos anos, esta tornou-se na divisão mais minimalista e versátil da casa: destralhada até não me parecer mais possível, por aqui também já passaram dois bebés. Aliás, o mais novo gosta tanto, que teima em não sair… E acabo por gostar disso. Em parte, é isto que tem dado um novo significado ao quarto.

A cama ainda guarda o cheiro dos meus filhos enquanto recém-nascidos, a sua pequenez, o seu apego pelos seus progenitores. Foi lugar para primeiras fotos e primeiros sorrisos. Acumula já várias horas de sono suas, ouviu-os palrar, recebeu-os para os primeiros gatinhares.

Foi também nesta divisão que se descobriram olhando-se ao espelho, que praticaram os primeiros passos caminhando entre o pai e a mãe, onde riram, brincaram e nos impediram, por diversas vezes, de dormir até mais tarde…

Esta singela cama acolheu, e continua a acolher, brincadeiras com muitas cócegas e gargalhadas à mistura.

O quarto é o último reduto: é o sítio onde prometemos não deixar entrar nem televisão, nem computador, pois, para nós, o quarto é um local sagrado para descansar, conversar com calma e galhofar.

Este é o oásis da calma, o refúgio preferido. Aqui queremos que reine a paz e o bem-estar.

Aqui somos mais nós. Aqui é o coração do lar! "

A Mafalda tem um blog muito interessante que aborda vários temas desde a organização, produtividade, finanças, mas também um estilo de  vida mais simples e feliz. Podes ver todas as dicas em It´s (not) so simple!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Qual o cantinho favorito da sua casa? Por Ana Go Slowly

  

A Ana é uma daquelas pessoas tranquilas, felizes e sempre de bem com a vida. Impossível não gostar dela. A Ana vive no Porto e também é apaixonada por organização. Foi a minha primeira pessoa que escolhi para responder ao desafio: "Qual o cantinho favorito da sua casa?"  

"Tive alguma dificuldade em responder a esta pergunta... Pensei muito até começar a escrever, pois por algum motivo, que agora já compreendo, não conseguia eleger o lugar da minha casa que me deixa mais feliz… Na realidade não o consigo fazer pois adoro todos os cantinhos da minha casa!
Desde a primeira vez que a visitei que senti que era o sítio certo e que iria ser muito feliz ali. Com a descoberta do minimalismo e desde que comecei a destralhar e a simplificar, passei ainda a adorar mais a minha casa! Tudo passou a fazer mais sentido e passei a usar o meu tempo naquilo que é realmente importante, em vez de passar horas e horas em limpezas, como antes fazia.
Apesar de adorar a minha casa e de gostar de a ter sempre limpa e arrumada, gosto muito mais de fazer outras coisas, por isso sinto que ao reduzir aquilo que tenho ao essencial fez toda a diferença. A nossa casa deve ter apenas aquilo que é realmente necessário e que nos permita viver com conforto e tranquilidade e ainda aproveitar todos os momentos com quem lá vive.
Apesar de não ter um cantinho preferido acabo inevitavelmente por passar mais tempo na sala, é o sítio onde estamos todos juntos e onde o meu cão gosta mais de estar. A televisão vai ficando cada vez mais para segundo plano, prefiro ouvir música, meditar, brincar com o meu cão ou simplesmente tirarmos uma sesta os dois, no sofá. É tão bom! 
Como diz o slogan da IKEA, viva mais a sua casa!" 

Para seguir o trabalho da Ana:

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Qual o cantinho favorito da sua casa?


Sabe qual o cantinho favorito da sua casa? Ou nunca tinha pensado nisso? Se nunca pensou em ter o seu local favorito, este mês lancei o desafio a algumas pessoas a responder-me a esta questão e a enviar-me uma foto para partilhar no blog e facebook

Esta ideia surgiu quando eu visitava a casa de clientes. Duas perguntas que faço sempre quando entro na casa de alguém pela primeira vez "Qual o local da casa que mais incomoda (desorganizado)? " e "Qual o seu cantinho favorito?" A segunda pergunta deixava normalmente as pessoas em silêncio, porque nunca tinham pensado nisso ou porque já tinham esquecido o motivo porque se apaixonaram pela casa. 

Este desafio é para as pessoas que têm casas lindas, casas com histórias, casas que foram ficando descuidadas pelo tempo, e que no dia a dia estão tão ocupadas, que não conseguem ter tempo para "olhar à sua volta" e pensar... aqui sinto-me mesmo feliz:)

terça-feira, 4 de outubro de 2016

"As crianças precisam de mais tédio" por Paula Abreu


 Um texto publicado no facebook da Paula Abreu - Escolha sua Vida. Uma opinião interessante de que o Less is More também se aplica às crianças.
 
"Desde que comecei a falar e escrever sobre minimalismo e desapego, várias pessoas me perguntaram como implementar essa filosofia de vida se você tem filhos. Acho que a questão da simplicidade, quando vista sob o foco dos filhos e da infância, é muito maior do que somente jogar brinquedos fora.

As pessoas hoje querem que seus filhos tenham sucesso e, como ninguém sabe muito bem o que é sucesso – porque ninguém para e se questiona -, colocam os filhos pra fazer mil e uma atividades: inglês, espanhol, natação, balé, jazz, capoeira, judô. Nas (poucas) horas vagas, marcam playdates com os amigos.

As crianças têm mais atividades do que conseguem dar conta, mais brinquedos do que conseguem administrar, mais livros do que conseguem ler, mais desenhos pra assistir na TV do que conseguem acompanhar.

Quando lembro da minha infância, sempre me divirto com lembranças das minhas muitas brincadeiras inventadas, da minha incontrolável criatividade. Eu fazia desenhos e saía vendendo pros vizinhos (e voltava pra casa cheia de dinheiro, para espanto da minha mãe), criava peças de teatro que encenava com os amigos do prédio e vendia ingressos para as crianças do bairro, escrevia livros, desenhava as capas, construía cabanas.

Tudo isso nascia do tédio. Do nada-pra-fazer. De sentar na escada da casa dos meus avós com um copo cheio de água com detergente e um canudo e, depois de uma hora, me cansar de fazer bolha de sabão.

Criar minhas próprias histórias, minhas brincadeiras, meus livros, minhas peças, tudo isso era bom pra minha auto-estima, eu me sentia super poderosa, capaz de criar coisas do nada, de me entreter e entreter meus amigos.

A gente tem hoje a sensação de que as crianças já nascem mais espertas, sabendo mais, que crescem e se desenvolvem muito rápido, que viram adolescentes com 10 anos de idade, mas somos nós que estamos causando isso. Nós estamos matando a infância.

Estamos gerando adolescentes e jovens que não conseguem parar cinco minutos para pensar na resposta de uma questão ou problema: correm para o Google – vi isso em muitos estagiários meus.

Pior: sem poder explorar mundos desconhecidos, criar suas próprias brincadeiras e brinquedos, inventar suas próprias atividades, as crianças perdem também a oportunidade de descobrir quais são as suas verdadeiras paixões. E é daí que surgem os adolescentes que não sabem o que querem fazer da vida: de uma infância em que nunca se teve a chance e a permissão de se experimentar.

As crianças não precisam de mais atividades, nem mais brinquedos, nem mais livros, nem mais canais de tevê. As crianças precisam de tempo – não me canso de falar desse bem tão precioso e não-renovável. Tempo pra ficar sozinhas, tempo pra refletir sobre suas dúvidas, suas emoções, suas dificuldades, tempo pra encontrar suas próprias soluções. As crianças precisam de mais tédio. Depois de dez, vinte minutos de tédio, acredite, elas vão ser criativas, inovadoras, vão encontrar algo pra fazer.

E isso vai fazer delas “bem sucedidas” não só no sentido mais prático – e talvez besta – de passar no vestibular ou arrumar um emprego, mas num sentido mais profundo, de ter valores melhores, ser pessoas melhores, ser melhores pais e mães, ser mais felizes. "